Displasia Desenvolvimento Quadril (D.D.Q.)

22/07/2019

Displasia desenvolvimento do quadril pode acometer recém nascidos
Displasia desenvolvimento do quadril pode acometer recém nascidos

     O quadril é uma articulação "bola-e-soquete". Em um quadril normal, a bola na extremidade superior do fêmur encaixa firmemente no soquete, que é parte do grande osso da pelve (bacia). Em bebês e crianças com displasia do desenvolvimento (luxação) do quadril (DDQ), a articulação do quadril não se formou normalmente. A bola está solta no soquete e pode ser fácil de deslocar.

     Embora a DDQ seja mais freqüentemente presente no nascimento, também pode se desenvolver durante o primeiro ano de vida de uma criança. Pesquisas recentes mostram que os bebês cujas pernas são agasalhadas firmemente com os quadris e joelhos em linha reta estão em um risco significativamente maior para desenvolver DDQ após o nascimento. Como agasalhar (charutinho) torna-se cada vez mais popular, é importante para os pais aprender a envolver e proteger seus bebês com segurança e entender que quando feito de forma inadequada, pode levar a problemas como a DDQ.

Recém nascido deve ser avaliado assim que possível.
Recém nascido deve ser avaliado assim que possível.

     Em todos os casos de DDQ, o soquete (acetábulo) é raso, o que significa que a bola do fêmur não pode se encaixar firmemente no soquete. Às vezes, os ligamentos que ajudam a manter a articulação no lugar são esticados. O grau de afrouxamento do quadril, ou instabilidade, varia entre as crianças com DDQ.

  • Deslocados. Nos casos mais graves de DDQ, a cabeça do fêmur está completamente fora do soquete.
  • Deslocável. Nestes casos, a cabeça do fêmur fica dentro do acetábulo, mas pode ser facilmente empurrada para fora do soquete durante um exame físico.
  • Subluxável. Em casos leves de DDQ, a cabeça do fêmur é simplesmente solta no soquete. Durante um exame físico, o osso pode ser movido dentro do soquete, mas não deslocado.

      No Brasil, 1 a 2 crianças podem desenvolver displasia para cada 100 nascidos.

Causa

     A Displasia do quadril tende a ser familiar, com maior incidência entre membros de uma família. Pode estar presente no quadril e em qualquer indivíduo. Geralmente afeta o quadril esquerdo e é predominante em:

  • Meninas
  • Crianças primogênitas (primeiro filho)
  • Bebês nascidos na posição de nádegas/sentado (especialmente com os pés para cima dos ombros). A Academia Americana de Pediatria agora recomenda ultrassonografia para triagem de todos os bebês meninas nascidas na posição de nádegas
  • História familiar de DDQ (pais ou irmãos)
  • Oligohidraminos (baixos níveis de líquido amniótico)
Ilustração displasia desenvolvimento quadril (D.D.Q)
Ilustração displasia desenvolvimento quadril (D.D.Q)

Sintomas

   Alguns bebês nascidos com um quadril deslocado não mostrarão sinais externos. Logo um exame físico detalhado é fundamental para a suspeita do diagnóstico. O teste da Barlow e Orttolani são os principais em recém nascidos.

Em alguns casos as alterações abaixo podem ser perceptíveis pelos pais . Logo os mesmos devem-se atentar para eles

  • Pernas de diferentes comprimentos
  • Dobras desiguais na coxa
  • Menor mobilidade ou flexibilidade de um lado
  • Manca, caminha semelhante à marcha de um pato ou pinguim

Diagnósticos

     Além de pistas visuais, o seu médico irá realizar um exame físico cuidadoso para verificar DDQ, como ouvir e sentir por "clique" quando o quadril é colocado em posições diferentes. O seu médico utilizará manobras específicas para determinar se o quadril pode ser deslocado e / ou colocado de volta em posição adequada.Recém-nascidos identificados como de maior risco para DDQ são muitas vezes testados usando ultra-som, que pode mostrar imagens dos ossos do quadril.  Para crianças mais velhas, as radiografias do quadril podem ser realizadas para fornecer imagens detalhadas da articulação do quadril.

Tratamento

     Quando a DDQ é detectada no nascimento, geralmente pode ser corrigida com o uso de um suspensório de Pavlik. A patologia pode não ser notada até que a criança comece a andar. Neste momento, o tratamento é mais complicado através de imobilização gessada ou até mesmo cirurgia, com resultados menos previsíveis.

     Crianças tratadas com gesso podem ter um atraso na marcha. No entanto, quando o gesso é removido, o desenvolvimento do andar prossegue normalmente. O Suspensório de Pavlik e outros dispositivos de posicionamento podem causar irritação da pele ao redor das tiras, e uma diferença no comprimento da perna pode permanecer. Os distúrbios do crescimento da parte superior do fêmur são raros, mas podem ocorrer devido a uma perturbação no suprimento de sangue para a área de crescimento no fêmur. Mesmo após o tratamento adequado, um soquete raso do quadril ainda pode persistir, e cirurgia pode ser necessária na primeira infância para restaurar a anatomia normal da articulação do quadril.

Resultados

     Se diagnosticado precocemente e tratado com sucesso, as crianças são capazes de desenvolver uma articulação do quadril normal e não devem ter nenhuma limitação na função. Sem tratamento, DDQ pode levar a dor e osteoartrite no início da idade adulta. Pode produzir uma diferença no comprimento da perna ou uma marcha "de pato" e agilidade diminuída. Mesmo com tratamento adequado, deformidade do quadril e osteoartrite podem desenvolver mais tarde na vida. Isto é especialmente comum quando o tratamento começa após a idade de 2 anos.