Espinha Bífida (Mielomeningocele)

27/07/2019

Criança com mielomeningocele
Criança com mielomeningocele

     A espinha bífida (fechamento incompleto da coluna) é um defeito raro do sistema nervoso central que é freqüentemente diagnosticado antes do nascimento. Esta condição ocorre como resultado de um desenvolvimento defeituoso ou fechamento incompleto que deixa uma abertura na espinha da criança. Uma parte da medula espinhal e dos nervos espinhais pode ser exposta através dessa abertura. A espinha bífida geralmente se desenvolve na primeira fase da gravidez - durante os primeiros 28 dias. Cada caso de espinha bífida é diferente e tem vários níveis de gravidade

     Quando o feto começa a se desenvolver no útero, o tubo neural é a estrutura da qual o cérebro, a medula espinhal e os tecidos que os contêm se originam. A espinha começa a se formar aproximadamente dois meses depois para cobrir esse espaço e proteger essa parte vital da anatomia do bebê. Nos casos de espinha bífida, a coluna não se liga completamente. É uma condição relativamente rara que ocorre em aproximadamente 1.645 nascimentos por ano.

Causas

     A espinha bífida é uma condição que se origina durante a gravidez, quando o bebê está se desenvolvendo. Não está exatamente claro qual é o fator que causa o defeito do tubo neural a gerar espinha bífida, embora alguns especialistas argumentem que um nível insuficiente de ácido fólico poderia ser um fator influente, mulheres obesas e/ou  com diabetes não controlada adequadamente durante a gestação também apresentam risco maior de ter um bebê com essas alterações.

Tipos

  • Espinha Bífida oculta: Esta é a condição mais benigna. É conhecida como "espinha bífida oculta", porque, em geral, é mais difícil de detectar, uma vez que os sintomas, se houver, são mínimos. Ocorre quando um ou mais ossos da coluna não se formam adequadamente. No nascimento, o bebê pode ter algum cabelo, uma covinha ou uma marca de nascença na pele logo acima do local acometido. No entanto, este tipo de espinha bífida raramente apresenta sintomas ou causa incapacidade.
  • Defeito fechado no tubo neural: com este tipo de espinha bífida, pode haver presença de matéria gordurosa, malformações ósseas ou de membrana na medula espinhal. Geralmente, não há sintomas ou, se ocorrerem, são muito leves nessa forma da doença. Em alguns casos, a criança pode ter dificuldade em andar e pode haver problemas relacionados ao sistema urinário e intestinos.
  • Meningocele da espinha bífida: é a forma menos comum, e é uma forma moderada de espinha bífida. No caso das meningoceles, a medula espinal tem uma posição adequada e se desenvolveu normalmente, mas o tecido que a cobre se projeta externamente. Isso forma um saco cheio de fluido sob a pele. A meningocele deve ser tratada com cirurgia durante a infância. Geralmente os pacientes acometidos não possuem problemas neurológicos.


  • Mielomeningocele da espinha bífida:É a forma mais comum, é a forma mais grave de espinha bífida. É geralmente referida como "espinha bífida aberta", porque a medula espinhal é exposta através da malformação de várias vértebras. Este tipo de espinha bífida forma um saco cheio de líquido que contém parte da medula espinhal e nervos, que se projetam da região posterior do feto. Hidrocefalia, pode ocorrer em aproximadamente 70% e 90% das crianças nascidas com mielomeningocele. A condição pode causar inflamação da cabeça e, se não for tratada, pode haver danos cerebrais, convulsões e cegueira. Crianças com este tipo de espinha bífida podem ter fraqueza ou paralisia na área da coluna afetada, além de problemas genito urinários.

Ilustração de alterações do canal vertebral
Ilustração de alterações do canal vertebral

Tratamentos

    Uma equipe multidisciplinar especializada é essencial e necessária para um bom acompanhamento do paciente.

     Fisioterapia : Esta intervenção ajuda as crianças com espinha bífida a melhorar o equilíbrio e a desenvolver a força e a coordenação muscular, especialmente se os quadris, pernas ou pés tiverem sido afetados pela doença.

     Terapia Ocupacional : Este tratamento se concentra no fortalecimento das habilidades motoras finas que foram afetadas pela espinha bífida.

    Neurocirurgia e Cirurgias Ortopédicas: intervenções cirúrgicas dependem das condições relacionadas de cada indivíduo. Crianças com mielomeningocele podem precisar de cirurgia para proteger a medula espinhal de futuros traumas, reduzir o excesso de fluido dentro ou ao redor do cérebro ou recuperar um certo nível de função. Outros podem ser submetidos à cirurgias ortopédicas para melhorar ou tratar sintomas e deformidades que afetam seus quadris, pés ou pernas. 

Criança com mielomeningocele jogando baseball
Criança com mielomeningocele jogando baseball